A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA) e o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul (CAU/RS) formalizaram por meio de Termo de Colaboração, a parceria para o fomento do projeto de Software Livre para Arquitetura e Engenharia (Solare) na última sexta-feira (27/5), em São Paulo (SP). O encontro – articulado pelo secretário de Organização e Formação Sindical da Federação, Danilo Matoso, e pelo chefe de gabinete do Conselho, Paulo Henrique Soares – reuniu a presidente da FNA, Eleonora Mascia e o presidente do CAU/RS, Tiago Holzmann da Silva, estabelecendo ainda um calendário de cursos introdutórios aos programas de livre uso mais utilizados pelos profissionais.

Serão abordados sete softwares: FreeCAD, de CAD e BIM; QCAD, de CAD 2D; Blender, de modelagem 3D e BIM; QGIS, de geoprocessamento; Gimp, de edição de imagens; Inkscape, de edição vetorial; e Scribus, de diagramação. As aulas serão disponibilizadas nos canais do YouTube entre julho e outubro e complementadas por um fórum de discussões no site do projeto, matérias temáticas e campanhas nas redes sociais.

Matoso, coordenador do Solare, explica que o objetivo do projeto é, além de ampliar o uso de softwares livres, mostrar aos profissionais que essas ferramentas oferecem formas mais inteligentes de funcionamento. “Os softwares livres são desenvolvidos com participação dos próprios usuários, oferecendo uma plataforma estável, gratuita e segura aos arquitetos e urbanistas”. O CAU/RS repassará à entidade recursos para a contratação de professores e organização de vídeo aulas. Essa parceria, de acordo com Holzmann, “é uma forma de ampliar as ferramentas e tecnologias que facilitem o trabalho dos profissionais. Uma demanda importante e que merece nossa dedicação e reconhecimento”.

A ideia é que esse fomento possa ampliar a comunidade de usuários e a mobilização pelo desenvolvimento dos softwares, principalmente aqueles específicos de arquitetura e engenharia. “Quanto mais profissionais tivermos conhecendo e contribuindo para o desenvolvimento de programas, como CAD e BIM, mais poderemos aperfeiçoar e popularizar seu uso”, complementa Matoso.

Nessa primeira etapa, o programa visa mapear e formar, não apenas os usuários dos softwares, mas também aqueles aptos a lecioná-los em suas comunidades. Outros Conselhos Estaduais, como o CAU/RJ, já manifestaram interesse em aderir ao Solare. O secretário da FNA complementa que “a contratação de professores, ou ativistas de Softwares Livres, será o passo seguinte de nosso programa”.