Notícias

II Conferência Nacional de Arquitetura e Urbanismo começou no sábado Data: 09/10/2017 Fonte: CAU

Cicero Alvarez falou na abertura Foto: Fernanda Lanzarin

A II Conferência Nacional de Arquitetura e Urbanismo – Todos os Mundos começou neste sábado (7/10) com a presença de mais de 300 arquitetos e urbanistas. O evento, que segue até terça-feira (10/10), acontece a cada três anos com o objetivo de colher contribuições e recomendações sobre a atuação do CAU/BR e dos CAU/UF para os próximos anos. Entre as atividades previstas estão palestras, mesas-redondas, seminários e painéis.

O presidente do Conselho, Haroldo Pinheiro, afirmou que essa é uma oportunidade de debater tecnologia, conhecimento, cultura. “Não estamos aqui para discutir entre nós mesmos, discutimos com a sociedade para resolver os problemas reais da sociedade”, disse. “Ainda não conseguimos chegar a 85% da população, mas estamos reduzindo essa distância. Vamos discutir aqui como levar Arquitetura e Urbanismo para todos”, completou.

A segunda edição do evento acontece no Rio de Janeiro, cidade que vai sediar o 27º Congresso Mundial de Arquitetos. Na ocasião, o presidente da Federação Nacional de Arquitetos e Urbanistas (FNA) e coordenador do CEAU, Cicero Alvarez, afirmou que esse é o momento de discutir novos rumos para a profissão. “O Congresso de 2020 é um oportunidade de inserção dos assuntos da nossa profissão junto à sociedade. Nossas ações devem ter compromisso público para termos um Congresso de Arquitetos melhor e, acima de tudo, um país melhor para todos”, disse.

O vice-presidente da UIA para as Américas e ouvidor-geral do CAU/BR, Roberto Simon, destacou a importância do Congresso para os arquitetos brasileiros. “Estamos diante da Quarta Revolução Industrial. É importante que nossas organizações entrem em campos novos, sabendo usar as novas tecnologias para resolver os problemas de habitação e reduzir as desigualdade. O Rio de Janeiro é um laboratório vivo dessas questões”, observou.

A Conferência tem transmissão ao vivo pelo link: https://www.youtube.com/watch?v=kGX9phdY2G0.

 

Jaime Lerner

A abertura do evento contou também com uma palestra magna do arquiteto e urbanista Jaime Lerner, que foi três vezes prefeito de Curitiba (PR), duas vezes governador do Paraná e presidente da União Internacional dos Arquitetos (UIA). Celebrado como um dos mais importantes urbanistas em atividade, Lerner emocionou os presentes em sua fala com lições poderosas sobre otimismo, inovação e a construção de cidades mais justas e sustentáveis. “Temos que ter a coragem de fazer coisas simples e imperfeitas. A Arquitetura as vezes é um compromisso com a simplicidade e imperfeição. Temos que ter orgulho da nossa constelação de arquitetos-estrelas, mas precisamos mais de uma constelação de arquitetos preocupados com as cidades. Menos ego-arquitetos, mais eco-arquitetos”, afirmou.

Prestes a completar 80 anos, Lerner tem pressa de realizar. Trabalhando em conjunto com jovens arquitetos, ele está desenvolvendo uma diversidade de projetos que inclui a retomada do Parque da Orla do Guaíba, em Porto Alegre (RS), a concepção de um carro feito de material reciclável e até mesmo cinema: o filme “Uma História de Sonhos”, de Carlos Deiró, mostra a vida e as ideias revolucionárias de um dos principais expoentes da Arquitetura e Urbanismo do Brasil. “Estou sempre com um brinquedo novo”, conta. “Procuro fazer de cada dia uma alegria. Não faço nada que não seja por prazer. Tenho encontrado tantos colegas que pensam a mesma coisa, e isso me dá uma alegria que não se paga.”

Jaime Lerner palestrou na abertura do evento Foto: Fernanda Lanzarin

Ele reconhece, entretanto, que o momento atual traz uma série de preocupações que desafiam esse otimismo. Enxerga no mundo uma “conspiração da mediocridade” que, incapaz de criar ideias novas, apega-se a rotinas pré-estabelecidas. “Estamos na base de uma burocracia temerosa, com medo de tomar decisões. Isso leva a uma visão pessimista, que traz uma frustração a todos”, afirmou.

“Nós estamos cada vez mais formando especialistas que estão com farol nas costas, que não conseguem focar no futuro com uma visão sustentável, que criam slogans como ‘cidades resilientes’, ‘smart cities’, tudo no sentido de vender gadgets. Por isso mercados orientados por gente que não sabe fazer acontecer”, disse. A solução, segundo Jaime Lerner, está na simplicidade. “Rapidez é importante, por isso começamos com a ideia de acupuntura urbana, transformações rápidas com uma atuação pontual que pode criar uma sinergia para melhorar a cidade. Ás vezes nós demoramos porque queremos ter todas as respostas, não podemos ser tão prepotentes assim. Precisamos entender que planejamento é uma trajetória onde nós podemos começar mas temos que deixar que a população nos corrija quando estivermos no caminho errado. Começar, fazer rápido. Queremos discutir demais, perdemos a oportunidade da mudança”. Para ele, a solução para as cidades está em apenas três medidas: usar menos carro, morar perto do trabalho, separar e reciclar o lixo.

Ao final, ele destacou o seu desejo para que o Congresso Mundial de Arquitetos em 2020 reúna grandes exemplos, cidades que sejam exemplos de mudanças coletivas. “O Rio vai ser cenário de um Congresso fantástico. Não é possível que aqueles que virão ao rio não se entusiasmem com esta cidade”, afirmou. “Não é um momento de otimismo, mas conheço o país, conheço os arquitetos, sou um otimista incorrigível em relação futuro de nossa prática”.

 

Veja como foi o evento no sábado: 

 

Afiliados